HomeRodoviasObras de asfaltado de trecho da rota bioceânica iniciam

Obras de asfaltado de trecho da rota bioceânica iniciam

Rota Bioceânica

Obras de asfaltado de trecho da rota bioceânica iniciam

Está chegando o que tanto se espera. Considerada essencial para o funcionamento da rota bioceânica (corredor rodoviário ligando os oceanos Atlântico e Pacífico), a pavimentação do trecho de 227 km da rodovia que liga as cidades de Carmelo Peralta, no lado paraguaio da fronteira com Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul, e Loma Plata, na fronteira paraguaia com a Argentina, vai começar entre os dias 15 a 20 deste mês, anunciou o consórcio formado pelas construtoras Queiróz Galvão, do Brasil, e a OchoA, do Paraguai.

Conforme o anúncio do consórcio, as obras de preparação do solo já começaram a partir de Carmelo Peralta com as primeiras cargas de pedras e cimento que servirão de base para as camadas asfálticas. Esta semana as obras consideradas sub base da parte estrutural avançaram mais de 3 km, e se as boas condições climáticas continuarem na região, até o final deste mês começam os primeiros quilômetros de asfalto.

De acordo com o cronograma do contrato, as obras do trecho da rota bioceânica entre Loma Plata, no Departamento de Boquerón, e Carmelo Peralta, do Alto Paraguai, terão investimento público-privado de US$ 421 milhões (R$ 1,6 bilhão) e deverão ser concluídas em junho de 2022. Serão duas frentes de trabalho e a programação prevê que 24 km de asfalto devem ser concluídos até o final de setembro, considerando 12 km a partir de Carmelo Peralta e os outros 12 km desde Loma Plata.

Defendida por empresários e pelos governos estadual e federal, no lado brasileiro, como fundamental para as exportações de produtos agrícolas para a Ásia, a partir dos portos do Chile, no Oceânico Pacífico, a rota bioceânica será um marco importante também para o setor turístico não apenas de Mato Grosso do Sul, mas do Brasil e da América do Sul.

“Para o turismo o início das obras do asfalto dessa rodovia é uma excelente notícia, há muito tempo aguardada com muita expectativa”, disse o presidente da Abav/MS (Associação Brasileira das Agências de Viagens em Mato Grosso do Sul), Cristiano Cicuto.

O setor considera que a rota bioceânica será uma espécie de Rota 66 (famosa rodovia norte-americana que se tornou cenário de filmes), desde Campo Grande até Porto Murtinho, rumo aos mais importantes destinos turísticos chilenos, argentinos e paraguaios, e também no sentido inverso em relação aos destinos turísticos sul-mato-grossenses.

“A rota bioceânica por Porto Murtinho abrirá espaço para a promoção do turismo em Mato Grosso do Sul”, reforça o presidente da CBM (Confederação Brasileira de Motociclismo), o campo-grandense Firmo Henrique Alves, que projeta fazer de Campo Grande o ponto de partida do mototurismo para San Pedro do Atacama, no Chile. “Para isso precisamos que o asfalto da rodovia do lado paraguaio e a ponte da travessia sobre o Rio Paraguai em Porto Murtinho sejam concluídos”, ressaltou ele.

A ponte só em 2023 

Atualmente a travessia do Rio Paraguai entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta é feita de balsa, um tipo de embarcação de fundo chato que opera próximo às margens e em águas rasas. Também fundamental para o funcionamento da rota bioceânica, a ponte de concreto sobre o rio terá 2,5 km de extensão e deverá ficar pronta em 2023.

“O projeto da ponte já foi licitado e a obra está para começar. Acredito que o início da obra ficará definido em uma reunião na próxima semana no Paraguai”, disse o secretario municipal de Turismo de Porto Murtinho, Carlos Heyn, referindo-se a agenda do governador Reinaldo Azambuja na segunda-feira e terça-feira, em Assunção, incluindo encontro com o presidente paraguaio, Mário Abdo Benitez. Pelo que está previsto, a construção da ponte será bancada pela empresa Itaipu Binacional com investimento de US$ 75 milhões (R$ 286 milhões).

 

Fonte: Campo Grande News

Foto: Divulgação/Abc Color/Assunção

Leia as nossas #dicas especiais AQUI!

Compartilhar com
Avalie este artigo