Portal Estrada
© Portal Estrada / Todos os direitos reservados.
HomeSem categoriaRetrospectiva 2020 do setor de transporte de cargas no Brasil

Retrospectiva 2020 do setor de transporte de cargas no Brasil

Retrospectiva 2020 do setor de transporte de cargas no Brasil

Retrospectiva 2020 do setor de transporte de cargas no Brasil

O transporte de cargas enfrentou altos e baixos no Brasil em 2020. Com a pandemia do novo coronavírus, o País praticamente parou. E o faturamento de transportadoras e frotistas despencou no primeiro trimestre. Ao mesmo tempo, as fábricas paralisaram a produção de caminhões.

No entanto, setores como agronegócio, comércio eletrônico e construção civil voltaram a se aquecer. Consequentemente, a demanda por frete cresceu a partir do terceiro trimestre.

Mas a economia voltou a recuperar. Com isso, a venda de caminhões novos aumentou de forma repentina. E o setor de transporte de cargas voltou a respirar.

Contudo, a produção não acompanhou a demanda. Com isso, a fila de espera por caminhões zero-km cresceu. E empresas que precisavam de veículos novos tiveram de recorrer ao usado.

Ao mesmo tempo, o roubo de carga recuou. Isso foi resultado da redução do movimento de veículos nas estradas. Inclusive o de caminhões e ônibus.

Enquanto isso, serviços com a locação de caminhões ganharam força. Assim como a oferta de opções aos motores a diesel. Neste meio tempo, a Scania chegou à marca de 50 caminhões a gás vendidos no Brasil.

Estradão listou alguns dos fatos que mais marcaram o setor em 2020. Confira abaixo.

Transporte de carga ganhou novo cálculo para o frete

No início do ano o governo aprovou uma resolução com novos parâmetros para o cálculo do frete  Em suma, o piso mínimo passou a incluir o valor das diárias do caminhoneiro. Além disso, a carga do tipo pressurizada, comum no transporte de produtos químicos, foi incluída na tabela.

Depois disso,  as tabelas de pisos mínimos foram elaboradas conforme as especificidades da carga. E divididas em categorias. Por exemplo: carga geral, a granel, frigorificada, perigosa, neogranel e pressurizada.

Por fim, quem contratar serviço de transporte rodoviário de cargas e pagar abaixo do piso mínimo estabelecido pela Agência Nacional de Transportes Terrestres, ANTT pode ser multado. Os valores vão de R$ 550 a R$ 10.500.

Paralisação das fábricas

Com a pandemia, as fabricantes de caminhões suspenderam a produção temporariamente. No fim de março, Mercedes-Benz, Scania, Volkswagen Caminhões e ônibus e Volvo pararam primeiro. Depois, a produção voltou de forma gradual a partir de abril. Enfim, foi normalizada em junho.

Contudo, não no mesmo ritmo de antes da pandemia. Desde então, o índice de ociosidade é de 60%. O dado é da Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores, a Anfavea.

Contudo, as empresas ainda estão cumprindo os protocolos de segurança sanitária. Por isso, o ritmo de produção ainda continua lento.

Portal Estrada - Retrospectiva 2020 do setor de transporte de cargas no Brasil

Queda de 36% na produção

Em junho, a Anfavea previu que as vendas de caminhões novos cairiam 36% em 2020. A expectativa era de vender apenas 65 mil unidades no ano.

No entanto, antes da pandemia as projeções de vendas eram de 110 mil caminhões. Ou seja: a expectativa era de queda de mais de 40%.

Na época, a Anfavea avisou que as projeções poderiam mudar. E foi o que ocorreu. Com a expansão do agronegócio e de outros setores da economia, a estimativa de queda mudou para 18%.

Ou seja, vendas de 83,5 mil unidades em 2020. Ao que tudo indica, essa previsão se concretizará. No acumulado de janeiro a novembro, a indústria já emplacou 76.431 caminhões.

Adiamento do Euro 6 para 2025

A Anfavea informou em agosto que iria pedir o adiamento do Proconve 8 ao governo. No entanto, a nova fase do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores deve entrar em vigor em 2023. O programa brasileiro é equivalente ao Euro 6, que já está em vigor na Europa.

Presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes disse que um dos motivos para o pedido era a queda nas vendas. De acordo com ele, a crise gerada pelo novo coronavírus derrubou a receita do setor em 40%.

Por fim, o executivo disse que as fabricantes continuam apoiando o programa de controle de poluição. “Nós estamos comprometidos com o Proconve desde o início, na década de 1980.

Também de acordo com a Anfavea, implementar a nova fase do programa é muito caro. Segundo a associação, o investimento necessário é de R$ 12 bilhões. Isso inclui automóveis e veículos pesados.

Valor do frete defasado em 13,6%

Segundo um estudo da NTC divulgado em agosto, o valor do frete no Brasil estava defasado em 13,6%.  Além disso, as transportadoras ofereciam descontos de 4,7% nos contratos.

O levantamento foi feito pelo Departamento de Custos Operacionais (Decope) da NTC. E contou com a participação de 7.236 transportadoras.

Entre o fim de maio e o início de junho, surgiram os primeiros sinais de recuperação. No levantamento mais recente da NTC, feito entre os dias 22 e 26 de junho, a retração apurada foi de 22,9%. Embora os números ainda fossem negativos, já mostravam que a tendência de recuperação continuava firme.

Promessa de renovação da frota

Em agosto, o governo federal prometeu que haveria um plano nacional de incentivo à renovação da frota. A informação é do Secretário do Desenvolvimento do Ministério da Economia, Gustavo Ene.

Inicialmente, o plano foca veículos pesados. “Estamos em um alinhamento final. Conversamos com governos estaduais e já temos sinalização positiva de seis Estados”, disse.

Além disso, a idade média da frota de caminhões aumentou. Passou de 9 anos e 7 meses para 11 anos e 7 meses. Os dados são do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças).

Ao considerar apenas os caminhões de autônomos, a idade média é de 17,9 anos. Os dados são da Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT).

A crise gerada pela pandemia pode agravar ainda mais essa situação. Ao mesmo tempo, as fabricantes de caminhões começaram a ganhar algum fôlego em julho. Contudo, o cenário ainda é negativo.

Queda no número de roubos de carga

As ocorrências de roubo de carga nas estradas federais do Brasil recuaram 27,1% em agosto de 2020. Foram 59 casos, ante os 81 registros feitos em agosto de 2019.

Na comparação do primeiro semestre (536 casos) com o mesmo período de 2019 (577), a queda foi de 7,1%. Os dados foram apurados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) a pedido do Estradão.

A queda vem ocorrendo de forma gradual há três anos. Em 2019, o número de assaltos recuou 17,1% na comparação com 2018.

Na comparação de 2018 com 2017, a redução foi de 16,8%. Produtos alimentícios, combustíveis, farmacêuticos, cigarros e bebidas foram as cargas mais visadas pelos ladrões.

Essas informações fazem parte do relatório de 2019 feito pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – NTC&Logística. A expectativa é de recuo entre 17% e 19% em 2020.

A estimativa é do assessor de segurança do Sindicato das Empresas de Transporte de São Paulo (Setcesp), Coronel Paulo Roberto de Souza. Para o especialista, a queda é resultado das ações de combate a crimes. Sobretudo as feitas pelos órgãos de segurança dos Estados.

Menos demissões a partir de setembro

A partir de setembro, o número de demissões no setor de transporte ficou estável pela primeira vez após três meses seguidos. A conclusão é de um estudo da CNT feito com 914 empresas do setor.

Das 40,6% empresas que demitiram por causa da retração nos negócios, mais da metade (55,3%) disseram que não fariam novos cortes de pessoal. Das que não demitiram, 83,8% pretendiam manter essa política até o fim de 2020.

Em abril, de cada dez empresas ouvidas pela CNT, quatro informaram que precisariam demitir. Na época, o volume de carga transportada havia recuado mais de 40%.

Vendas de usados: saída para as filas de espera

O aumento repentino da demanda a partir do segundo semestre fez a fila de espera por caminhões novos aumentar. Em consequência, a venda de caminhões usados disparou.

Em agosto, por exemplo, os dados da Fenabrave mostravam que o crescimento das vendas na comparação com julho era de 7,35%.

A loja de usados da Mercedes-Benz, Selec Trucks reportou migração de compradores de novos para os usados. Isso contribuiu para o aumento de 25% das vendas.

A alta se referia à comparação com os 1.070 negócios feitos de janeiro a agosto de 2020. No mesmo período de 2019, foram 854. Segundo o gerente da SelecTrucks, loja multimarcas de seminovos da Mercedes-Benz, Luiz Pereira, a alta foi resultado de pelo menos dois fatores.

O primeiro foi o aquecimento do agronegócio, impulsionado pelas exportações. “Isso fez com que motoristas agregados e pequenos transportadores tivessem de investir às pressas num caminhão”, diz.

Além disso, a falta de alguns modelos zero-km contribuíram para a alta na procura por usados. A opinião é compartilhada pelo presidente da NTC&Logistica, Francisco Pelucio. “Se não há novo, tem de ir para o caminhão usado”, disse o executivo em entrevista exclusiva ao Estradão.

Finame volta a crescer

Ao mesmo tempo, o Finame voltou a ganhar força como opção para o financiamento de caminhões novos no Brasil. A participação da linha de crédito do BNDES nos negócios cresceu 10 pontos porcentuais no primeiro semestre de 2020.

Ou seja, passou de 20%, no acumulado de janeiro a junho de 2019, para 30% nos seis primeiros meses de 2020. Os números foram divulgados pela Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (ANEF). E inclui todas as modalidades de crédito oferecidas no mercado brasileiro.

Por outro lado, o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) continua sendo o mais utilizada. Contudo, perdeu 12 pontos percentuais de participação.

Ou seja, passou de 60% no primeiro semestre de 2019 para 48% em igual período deste ano. Cortes na taxa básica de juros (Selic), puxaram o aumento da procura pelo Finame.

Fixada em 2% ao ano, trata-se do menor nível da história. Presidente da ANEF, Paulo Noman disse ao Estradão que as taxas de juros para CDC e Finame praticamente se igualaram. Com isso, o consumidor ficou mais interessado na linha do BNDES.

Locação de caminhões ganha força

Além disso, o mercado de locações ganhou mais representatividade em 2020. A Vamos, que faz parte do Grupo Simpar (ex-JSL) fechou uma compra de 1.350 caminhões da Volkswagen.

Os veículos estão sendo alugados para empresas dos setores de e-commerce e entregas urbanas. A  empresa investiu cerca de R$ 1 bilhão em 2020 para aumentar sua frota de caminhões para locação.

Menos de 1% da frota, de 3,3 milhões de caminhões, serve o mercado de locações. Mas o cenário começa a mudar, ainda que de forma lenta. E a Vamos desponta como uma das molas propulsoras dessa transformação.

Ao mesmo tempo, a tendência para locação também está chegando aos pequenos frotistas. A crise provocada pelo novo coronavírus levou muitos frotistas a optarem pela locação de caminhão.

A falta de crédito, causada pela insegurança do setor financeiro, é um grande entrave para transportadoras de pequeno porte. Assim como para autônomos que querem novos veículos.

Como resultado, empresas do setor de locação estão diversificando a oferta de serviços. Dessa forma, estão incluindo o pequeno transportador e o caminhoneiro autônomo entre o público-alvo.

A LM Frotas e a Marbor Frotas Corporativas são alguns exemplos. Na prática, oferecem o serviço de locação de caminhão para autônomos, micro e pequenos frotistas.

Desoneração da folha de pagamento

Em novembro o, Senado derrubou o veto presidencial à prorrogação da desoneração tributária da folha de pagamento. Isso inclui 17 setores da economia.

Juntos, empregam mais de 6 milhões de pessoas. O transporte rodoviário de carga é um deles. Afinal,  sozinho o setor gera 800 mil postos de trabalho. Segundo a Associação Nacional do Transporte (NTC&Logística), motoristas de caminhões ocupam uma parte significativa dessas vagas.

A desoneração da folha de pagamento ocorreu pela primeira vez em 2011. Na prática, foi resultado de uma medida provisória.

Ou seja, a continuidade da desoneração significa que os empregadores terão custos menores. Isso porque haverá menos tributos.

Presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio diz que essa medida é importante para a manutenção dos empregos. E, também, para que as empresas de transporte tenham fôlego para reforçar o caixa.

Em suma, não perdem a eficiência no atendimento. “Nosso objetivo é que venha logo a reforma tributária para eliminar esses impostos permanentemente”, diz Pelúcio.

Combustíveis alternativos

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) iniciou em agosto a produção do e-Delivery. O caminhão elétrico é feito na fábrica de Resende, no Rio de Janeiro.

Segundo o CEO da empresa, Roberto Cortes, as unidades de pré-série servem para treinar os operadores da linha de montagem. E também do Consórcio Modular.

Enquanto isso, em outubro a Scania revelou que vendeu 50 caminhões a gás natural veicular (GNV) no Brasil. A marca sueca apresentou o modelo na Fenatran, em 2019. Trata-se do maior salão de transportes da América Latina.

Segundo a fabricante, as transportadoras e grandes embarcadores compraram os veículos. Entre os compradores estão empresas como Pepsico. E também RN Express, Jomed Log, Coopercarga e a TransMaroni.

Portal Estrada - Retrospectiva 2020 do setor de transporte de cargas no Brasil

Risco de parada

No início de dezembro, a Anfavea anunciou que a produção de veículos, sobretudo poderia parar por falta de insumos. Sobretudo os caminhões.

Segundo o presidente da associação, Luiz Carlos Moraes, a situação preocupa. E o risco de parada é alto, principalmente por causa da falta do aço. Mas também está faltando pneus e termoplásticos.

De acordo com Moraes, as exportações das empresas do setor siderúrgico não estão prejudicando o abastecimento no País. Contudo, há dificuldades em atender o mercado interno devido às diferentes especificações do metal.

Por fim, esse problema vai afetar a recuperação do setor. Aliás, em novembro a alta na produção foi superior a 5%.

 

Fonte: Estradão

Foto: Divulgação

Veja todas as VAGAS para Motoristas AQUI

Compartilhar com
Avalie este artigo