Portal Estrada
© Portal Estrada / Todos os direitos reservados.
HomeTransporte RodoviárioTabela de fretes derruba em 23% cargas para caminhoneiros autônomos

Tabela de fretes derruba em 23% cargas para caminhoneiros autônomos

caminhoneiros

Tabela de fretes derruba em 23% cargas para caminhoneiros autônomos

A tabela de fretes derrubou as cargas disponíveis para caminhoneiros autônomos em 23% entre 2017 e 2019, segundo pesquisa da plataforma de transporte de cargas FreteBras. O período analisado abrange cerca de um ano e meio antes e um ano e meio depois da tabela de fretes, implantada pelo governo em maio de 2018. Atualmente, o Brasil tem cerca de 1,2 milhão de caminhoneiros, sendo que 500 mil são autônomos, segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT.

Menos viagens. A FreteBras tem mais de 370 mil caminhoneiros cadastrados, o que equivale a um terço dos profissionais do Brasil. Depois da implementação da tabela, a relação entre o número de caminhoneiros registrados na plataforma e as cargas caiu 38%. Ou seja, há menos cargas disponíveis para cada profissional autônomo.

Investimento. Entre outros motivos, a ANTT determinou o pagamento do “frete de retorno” para os caminhoneiros. Com a mudança, o piso mínimo sofreu um reajuste que varia de 11% a 15%, de acordo com o tipo de carga e operação. Segundo Bruno Hacad, diretor de operações da plataforma, o levantamento mostra que as transportadoras estão de fato optando por usar mais frota própria por conta do aumento do custo do frete.

A longa história

No dia 16 de janeiro, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou nova tabela do frete rodoviário, que se aplica aos caminhoneiros autônomos, com reajuste que varia de 11% a 15%.

Além disso, foram estabelecidas uma série de regras para o setor, que passam a valer a partir desta segunda-feira (20). Mas para o líder do Comando Nacional do Transporte (CNT), entidade que reúne caminhoneiros autônomos, o principal problema da categoria continua sem ser resolvido.

“Ela não vai resolver o problema do setor. O problema do setor é excesso de demanda de veículos. O tabelamento não vai resolver esse tipo de problema, vai continuar sobrando caminhão. E os transportadores cada vez mais vão comprar veículos próprios, para formar uma frota própria, e assim se livrar da tabela. Essa é a tendência”, afirmou Ivar Luiz Schmidt, líder do Comando Nacional do Transporte – CNT.

 

Fonte: Estradão

Foto: Divulgação

Leia as nossas #dicas especiais AQUI!

Compartilhar com
Avalie este artigo